Fique por dentro

Desconfie do muito barato... Pode ser falsificado!

O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Paraná (MP-PR) realizou uma operação para apreender produtos falsificados de informática em Maringá na manhã desta quarta-feira (8).
De acordo com o promotor de Justiça Láercio Januário de Almeida, coordenador do Gaeco em Maringá, as ações estão sendo desencadeadas em vários locais do município, em busca de falsificações de marcas como HP e Samsung, com apoio do núcleo do Gaeco de Londrina (a 99 quilômetros de Maringá).
Uma grande quantidade de embalagens, cartuchos e matérias primas, além de maquinários utilizados na falsificação foram apreendidos. No total, foram cumpridos mandados em 18 locais de Maringá, e duas pessoas foram conduzidas para a delegacia do Gaeco para lavratura de flagrante. A autoridade policial deve definir se ambos ficarão detidos. Sessenta policiais dos núcleos de Maringá e Londrina do Gaeco, além de policiais militares do Batalhão de Choque e Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam) integraram os trabalhos.
A ação foi denominada "Operação Fake" - palavra em inglês que significa falsificação, fraude.
Maior apreensão
As ações de hoje são uma continuidade da operação realizada no dia 25 de abril deste ano, o Gaeco e a Polícia Militar (PM) prestaram apoio operacional ao cumprimento de mandados judiciais de busca e apreensão em seis estabelecimentos comerciais e residências de Maringá. A operação visou o combate à pirataria de cartuchos, toners e embalagens de produtos das marcas Samsung, HP, Lexmark, Xerox e IBM, entre outras.
Durante as diligências, foi apreendida vasta quantidade de produtos falsificados. A prática caracteriza crimes contra as relações de consumo, tipificados no artigo 7.º, incisos VII e IX da Lei nº. 8.137/90, combinado com o artigo 18, § 6.º, inciso II do Código de Defesa do Consumidor, que prevê a pena de até cinco anos de reclusão. Os mandados foram autorizados pela 2ª Vara Criminal de Maringá e atenderam requerimento de uma das empresas lesadas.
Segundo as investigações do Gaeco, os empresários alvos das denúncias importavam produtos da China e falsificavam toners, cartuchos, embalagens e selos de diversas marcas consagradas. A fraude seria altamente sofisticada e com uso de aprimorada logística, contando com maquinários importados. Segundo o coordenador do Gaeco de Maringá, em um dos estabelecimentos existia um compartimento subterrâneo destinado ao depósito de matéria-prima e de produtos falsificados. "Há fortes indícios de que os empresários dominavam o mercado nacional, inclusive participando de inúmeras licitações com diversos órgãos públicos, o que também passará a ser objeto de investigação do Gaeco", informou.
O delegado Elmano Rodrigues Ciriaco, que atua no Gaeco de Maringá, instaurou inquérito para apurar as falsificações e os crimes de formação de quadrilha e fraude a licitações. Ciriaco antecipou que, após perícia, será solicitada a destruição do material falsificado e o confisco judicial dos bens, produtos e instrumentos das práticas delitivas.
No dia 9 de setembro, o diretor global antipirataria da empresa de impressoras HP, Jimny Kwok, entregou ao Gaeco de Maringá documento que mostra que a ação feita contra a falsificação de cartuchos e suprimentos em abril, resultou na maior apreensão registrada no Brasil. Foram cerca de dua toneladas de materiais. O caso se encontrava na fase final do inquérito policial.
Recicle mais
Os toners reciclados Cartec, além de sustentáveis, ecológicamente corretos e impulsionadores para a geração de empregos na economia, são de qualidade inquestionável. Nosso pó é de ótima qualidade, o que deixa sua impressão preta muito mais escura e a colorida com muito mais vida.
Experimente o nosso reciclado e economize com algo certo.
Créditos: O Diário

Sobre Isa Costa

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.